quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Vale-transporte digital - Como funciona?

Olá, pessoal.
Hoje pela manhã ao ler um jornal local(Belém-PA) me deparei com uma manchete que chamou minha atenção: "Usuários ainda têm dúvidas"(sobre como funciona o sistema de vale-transporte digital que está sendo implantando na capital) e resolvi escrever sobre o assunto.

Resolvi fazer uma pesquisa rápida nas capitais do Norte e Nordeste para ver como funciona o sistema de transporte coletivo e fazer uma comparação, que me deu uma pequena surpresa: Ao contrário do que pensava, Belém não é pioneiro na região Norte aderindo a este sistema. Está ainda um pouco atrás de algumas capitais nesse sentido.

Em Palmas-To, por exemplo, segundo informações não oficiais, o sistema de transporte já é totalmente digitalizado (meia-passagem, vale-transporte, passe-livre para idosos e deficiente) há mais de um ano.
Em Manaús-AM, existe o vale-transporte digital recarregável, a meia-passagem digital computada, porém os idosos e deficientes ainda são identificados no "olhômetro", segundo fontes igualmente não oficias. Nas outras 4 capitais(excetuando Belém, lógico) não obtive informações "seguras" então resolvi não colocar.

No nordeste, segundo fontes não oficiais também, na cidade de Maceió-AL, existe o vale transporte digital recarregável,o vale-transporte de papel, a meia-passagem digital computada, e uma carteira de identificação para idosos e deficientes, mas que não é digital. Sobre essa cidade tenho dúvidas, pois essa informação foi conseguida em uma sala de bate-papo.

O que me chamou atenção foi o sistema de integração de transporte de Aracajú-SE.
Muitas cidades do Brasil já usam esse sistema. Foi nesse momento que ficou claro o quanto Belém está atrasada.

O sistema é simples:
Os passes de meia-passagem são comprados mensalmente em um órgão ligado à SMTT(Secretaria Municipal de Transporte e Turismo) e têm um limite de compra.
O estudante recebe os tickts para dar ao cobrador e mostra a meia-passagem para que o mesmo confira.
A passagem inteira é comprada nas estações ou com o próprio cobrador.
Com uma única passagem pode-se andar de ónibus por toda a cidade, o que denomina-se "integração física".

É previsto para 2008 agora a "integração temporal", que nada mais é do que caso um cidadão entre no ônibus e desça em um determinado ponto, a depender do intervalo que ele leve para pegar outro ônibus, será possível utilizar a mesma passagem que ele pagou anteriormente, já que o crédito vai levar um certo tempo para expirar. (Muito interessante isso, não?) Outro dia subi num ônibus, passei na borboleta e lembrei de ter esquecido algo, desci e poucos minutos depois peguei outro ônibus, e logicamente, paguei de novo. :/

Bom, resumindo as vantagens que encontrei nesse sistema de integração percebi:
- Agilidade, conforto e segurança aos passageiros, motoristas e cobradores. Na hora de passar pela catraca(borboleta) não vai mais haver demora nem dificuldade para receber o troco.

- Os ônibus não serão mais alvos frequentes de assaltantes (teoricamente, mas vai entender muitos casos de assalto), porque as gavetas não estarão mais cheias de dinheiro, passes e vales.

- O cartão também não será objeto de assalto porque, caso seja roubado, o usuário vai poder ligar para um telefone e imediatamente invalidar o cartão. Todos os créditos que o passageiro possuía serão transferidos para um novo cartão.

Isso foi o que puder colher nos casos que minha rápida pesquisa me forneceu.

Agora, tratando-se de Belém, é espantoso ver que, há poucos meses (4 meses) de ser totalmente extinto o sistema de vale-transporte em papel e até o próximo 31 de Janeiro as empresas de ônibus terão que contemplar por completo equipamentos para suportar o vale digital, a maioria da população ainda não sabe como funciona o esse famigerado tipo de vale-transporte.

As dúvidas são muitas, vou listar algumas com a resposta logo abaixo.

1- Onde os cartões podem ser comprados?

O cartão está sendo vendido unicamente através da Internet, no site www.passefacil.com.br. A compra é feita no ícone 'loja virtual' e os usuários devem fazer o cadastro no sistema do Setransbel. O cartão é entregue no endereço fornecido pelo comprador, no prazo máximo de 15 dias. No caso de pessoa jurídica (empresas), é preciso cadastrar os funcionários e depois fazer a solicitação de crédito.


2- Como deve proceder quem não tem acesso a Internet para adquirir o cartão eletrônico?

O cadastro para receber o cartão eletrônico pode ser feito nos postos do Mercado de São Brás (avenida Almirante Barroso com José Bonifácio), na sede do Setransbel (rua dos Mundurucus, nº 2555) e no Sest/Senat (rodovia Augusto Montenegro, Km 12). O horário de atendimento é de segunda a sexta, de 8 às 16 horas, e aos sábados, de 8 ao meio-dia. O cartão é entregue no prazo de 15 dias.

3- Como será feita a recarga?

Automaticamente até cinco dias depois que o usuário ou a empresa efetuarem o pagamento de um boleto bancário com o valor desejado, também emitido via site do Passe Fácil. Quem já tem o cartão deve entrar no site e solicitar o boleto bancário na opção 'pedidos'. O pagamento pode ser feito em qualquer agência bancária e, após a confirmação do pagamento, será liberado(até 5 dias).

4- Como saber se foi feita a recarga?

Quando o usuário aproximar o cartão do validador em qualquer ônibus, a carga será feita. Vai aparecer a mensagem: recarga e o valor do cartão.

5- Como utilizar o cartão eletrônico nos ônibus?

O usuário deve aproximar o cartão do validador em qualquer ônibus. Vai aparecer o valor da recarga. Aí aproxima novamente e faz o débito da passagem.

6- Até quando poderá ser usado o antigo vale-transporte?

Até o dia 18 de maio de 2008.


7- Como fazer caso o coletivo ainda não esteja equipado com o novo sistema de vale-transporte eletrônico?

A orientação é de que o indivíduo passe na roleta, e o prejuízo será da empresa de ônibus. A determinação saiu de uma reunião realizada entre a Companhia de Transportes de Belém (Ctbel) e o Setransbel. O usuário que se sentir prejudicado deve ligar para o 0800-911314 e fazer uma denúncia.
[Importante essa! Vamos ficar espertos]

8- Qualquer pessoa pode comprar o cartão eletrônico?

Sim. A aquisição do cartão magnético pode ser feita por meio do site www.passefacil.com.br, tanto por empresas, que devem distribuir entre seus funcionários, quanto por pessoas físicas (usuário comum).


9- Existe limite para o uso diário do cartão eletrônico?

Sim. Dez(10) vezes ao dia, seja pagando a tarifa para o próprio dono ou a várias pessoas durante uma única viagem. O objetivo é dar mais segurança contra roubos e furtos.

10- Qual o valor mínimo e máximo de créditos que podem ser adquiridos por empresas e pessoa física?

De acordo com o Setransbel, empresas podem adquirir crédito mínimo de R$ 150,00 e valor máximo de R$ 600. Já a pessoa física tem como valor mínimo R$ 75,00 - o equivalente a 50 passagens - e valor máximo também de R$ 600. Entre o mínimo e máximo o usuário poderá optar por qualquer valor, desde que seja múltiplo do preço oficial da passagem de ônibus.


11- Qual o prazo de validade do vale digital?

O vale digital, por enquanto, não terá prazo de validade, ao contrário do que acontecia com o de papel, que tinha validade de 120 dias.


12- Quem utiliza meia passagem estudantil vai poder pagar com o vale-digital?

Para os estudantes, não haverá nenhuma mudança em relação ao passe. Cada uma das quatro categorias de bilhetagem eletrônica: vale digital, meia passagem e as gratuidades para idosos e portadores de necessidades especiais têm a sua própria utilização do passe, sendo que uma não substitui a outra. Em resumo,o vale digital não pode ser usado para pagar meia passagem.


13- Como o usuário deve preceder caso tenha seu cartão eletrônico roubado?

Nos casos de roubo e furto, o proprietário pode bloquear o cartão em até 48 horas. O novo cartão deve ser entregue em cinco dias, com a transferência do saldo não utilizado.


SERVIÇO: Para tirar dúvidas, os usuários podem ligar para a central de atendimento do Setransbel (091xx 3252-0906).

p.s., essas dúvidas e soluções sobre o assunto foram tiradas do amazônia jornal e adaptadas por mim.


Bom pessoal, é isso aí.
Eu espero ter contribuído de alguma forma.
Se alguém souber de algum dado que esteja inconsistente, manifeste-se no comentário contribuindo com sua informação.

Abraços e beijos.

Até mais!

Um comentário:

CA disse...

Informando que os idosos de Belém acima de 60 anos tem gratuidade e se cadastrão no órgão responsável e recebem um cartão digital "Passe livre do idoso" também digital.